Selvaaaaaaaa!

dezembro2

Deixados às margens do Rio Tucano, nossa equipe segue na Selva rumo ao Pico da Neblina. Agora serão mais 4 dias até o Monte Sagrado localizado num dos lugares mais inóspitos do Planeta.

posted under Posts Amazônia
3 Comments to

“Selvaaaaaaaa!”

  1. On janeiro 29th, 2010 at 19:16 Camila Bartuira Ribeiro Says:

    O video é muito entereçante, mostra a realidade.

    Camila

  2. On fevereiro 17th, 2010 at 11:40 Marcelo Eduardo de Araujo Malheiros Says:

    Olá pessoal,
    primeiro quero dizer que não conhecia este site, ví na revista q assino nova escola e me amarrei na apresentação e nos temas abordados pois para mim e meus filhos (9 e 8 anos)são temas atrativos. Moramos no Turvo, cidadezinha no centro-sul do Paraná, entretanto nós percebemos no primeiro vídeo sobre o pico da neblina que os abrigos dos aventureiros fora construído com madeira e ficamos a pensar de onde teria vindo…”da mata é claro” e em um site que fala de preservação isso é meio contraditório. Como escoteiros usamos “barracas de Nylon” modelo canadense… gente, esta é uma crítica construtiva… adoramos os outros tópicos e continuaremos fussando o site e novamente escrevendo quando for o caso. Gratos pela atenção, nossos jovens precisam de sites como este! Marcelo, Ana e Eduardo.
    Até a proxima.

  3. On fevereiro 17th, 2010 at 15:39 Moura Says:

    Podem criticar, fuçar e opinar a vontade! A participação de todos é que alimenta nossa vontade e a possibilidade de construirmos juntos valores fortes ! Mas só como esclarecimento, com relação a todos os acampamentos que ficamos durante a viagem para o Pico da Neblina, já eram estruturas antigas, feitas por índios que usam esses pontos e como abrigo e pelo Exercito Brasileiro que deixa esses lugares como pontos de parada para descanso das tropas que controlam as fronteiras. Por isso essas estruturas são reutilizadas inúmeras vezes por todos que passam por ali. Posso relatar, por toda nossa experiência lá, que a preocupação tanto dos índios como do nosso Exercito são pela preservação daquele santuário, mesmo que as vezes causando algum impacto, é permanente. Muito obrigado pela participação!

Email will not be published

Website example

Your Comment: